Comunicacao_Assertiva

COMO SER ASSERTIVO NA COMUNICAÇÃO!

A forma como você se comunica, demonstra os valores que você carrega.

Atualmente mais difundida como CNV (Comunicação não violenta), a qual, tem como base de estudos o renomado psicólogo clínico Marshall Bertram Rosenberg, que comprova na prática os resultados positivos de uma comunicação eficaz e com empatia. 

Se pararmos para pensar faz todo o sentido, uma vez que nossa forma de se comunicar é influenciada pelos nossos valores que por vezes são sequenciados por julgamentos.

Vamos refletir juntos! Quantas vezes ao nos comunicar aplicamos a nossa fala um certo juízo de valor? E não raras as vezes em que expressamos de forma singular nossos sentimentos e opiniões? Somos vagarosos na empatia de “calçar o sapato do outro”, mas somos rápidos em julgar. Se estamos com as pessoas mais próximas de nós, quantas vezes nos comunicamos fazendo exigências e ameaças? 

Não, não, não! Pare imediatamente e considere o que vou pontuar, afinal não nascemos prontos, não é mesmo? Então vamos aprender do jeito certo!

Quantas vezes ao julgarmos alguém criamos rótulos, um exemplo bem específico acontece dentro das escolas, e dentro de casa, ex: Aquela menina tem jeito de ser vulgar. Ninguém faz a vida daquele moleque. Aquele adolescente é um drogado. Aquela garota é rebelde. Aquela criança vai dar muito trabalho, etc. 

Sem percebermos vamos fazendo parte de um mecanismo de comunicação violenta, tendenciosa, julgadora, rotuladora,  impaciente e por fim inaceitável.

A CNV é avaliada sob três aspectos essenciais a nossa existência e desenvolvimento:

  1. Comunicação intrapessoal ( relação de nós com nós mesmos, quando nos comunicamos com o nosso EU)
  2. Comunicação interpessoal (relação de nós com os outros, seja no contexto familiar ou profissional)
  3. Comunicação social (quando nos comunicamos com o externo ou sistema, como associações, transportes, turmas, grupos, religião, política, etc…)

Pessoas que apoiam uma comunicação não violenta, eu gosto de chamar de CA (Comunicação Assertiva), consideram que todas as ações têm uma origem que é a ânsia de satisfazer as necessidades humanas, e a fazem sem o uso do medo, da vergonha, da humilhação, da acusação, e do apontamento da falha alheia, são vagarosos em coagir e rápidas em se colocar no lugar do outro.

Assim como Rosemberg eu também acredito que o princípio básico que torna o caminho mais rápido para se desenvolver em comunicação assertiva é se livrar dos julgamentos, de não avaliar o “certo” ou “errado” e entender que a forma que tu pensas, é apenas o seu ponto de vista e não pode ser defendido como verdade absoluta. Vamos dar ênfase em expressar sentimentos e necessidades, em vez de críticas ou juízos de valor.

O uso de medidas punitivas existe somente nas culturas que têm visões moralistas do mundo, que usam as categorias de bom e mau. Os antropólogos descrevem culturas em muitas partes do mundo em que a ideia de que alguém é “mau” não faz nenhum sentido, partindo do pressuposto que atrás de qualquer ação, há uma intenção positiva, fazendo com que tais culturas tendem a ser pacíficas.

No mundo corporativo atualmente é grande a procura por líderes que tenham as competências de mediadores, saibam lidar facilmente com conflitos e de preferência os evitem. 

A parte que mais me encanta no mundo do conhecimento é que não precisamos saber tudo, e nem vamos conseguir esta proeza, mas podemos nos dispor a aprender muitas coisas, a nos moldar, iniciando a mudança em nós mesmos influenciando o ambiente a nossa volta para desfrutar dias de paz, serenidade e tranquilidade. 

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email